Endereço
Clube do Choro de Brasília,
SDC, Bloco G - Brasília/DF
CEP: 70070-350
Telefones
(61) 9956-7369

Projetos Encerrados

APRESENTAÇÃO

 

                  “O Clube do Choro de Brasília, é uma Sociedade Civil sem fins lucrativos, que tem por finalidade promover o ensino, a preservação, o desenvolvimento e a divulgação da musica popular brasileira, especialmente o gênero “Choro”, estimulando a organização de conjuntos musicais, realizando concertos, recitais, espetáculos musicais, palestras, organizando bibliotecas e discotecas, colaborando para o desenvolvimento das artes e com o Governo na formulação e execução da política de apoio ao setor cultural e além disso, incentivando o intercâmbio com instituições similares do Pais e no exterior, podendo, para tanto, celebrar convênios, acordos, contratos, ajustes e termos com quaisquer organismos, entidades, instituições ou empresas, nacionais ou internacionais.”

                                Em três décadas e meia de atividades, o Clube do Choro de Brasília passou de local de encontros de músicos e aficcionados nos finais de semana à condição de pólo cultural nacionalmente conhecido e respeitado. Nas palavras do jornalista e historiador da MPB Sérgio Cabral, é atualmente “uma das instituições culturais mais importantes do país”. Através de projetos temáticos anuais, o Clube já homenageou Pixinguinha, Jacob do Bandolim, Chiquinha Gonzaga, Waldyr Azevedo, Ernesto Nazareth, Villa-Lobos, Ary Barroso, Tom Jobim, Garoto, Radamés Gnatalli e Dorival Caymmi. Todos tiveram sua obra revista e atualizada naquele que se constitui hoje o projeto de música instrumental mais duradouro e bem sucedido do país. Nos últimos 15 anos, o Clube do Choro de Brasília foi palco de aproximadamente 1.500 shows, assistidos por platéias que somadas chegam a 500 mil pessoas, número multiplicado pela audiência das tevês públicas que retransmitem sua programação para todo o Brasil, países do Mercosul e nações de língua portuguesa.

                                O presente Relatório de Atividades, referente ao período de 1997 a 2014. Durante esse período foram realizados 18 projetos de musica instrumental que contaram com a participação de 1.543 musicos convidados de outros Estados de 2.792 musicos de Brasilia cuja participação nos eventos promovidos pelo Clube do Choro já é tradicional constituindo-se na prova inequívoca da importância que a Diretoria do Clube tem dado à prata da casa.

                                Tivemos como parceiros, além do Ministério da Cultura e do Governo do Distrito Federal, o Banco do Brasil, os Correios, a Petrobras, a Brasil Telecom, a AmBev e a Eletrobrás, além do Fundo Nacional de Cultura do Ministério da Cultura. que disponibilizou recursos para aquisição de mobiliário e novos equipamentos de som e iluminação hoje utilizados no Clube, mediante a assinatura de um Convenio em 30 de Dezembro de 2010 entre o Clube do Choro de o Ministério da Cultura, no valor de R$ 2.001.835,79 (dois milhões, um mil, oitocentos e trinta e cinco reais e setenta e nove centavos). De acordo com o cronograma físico financeiro aprovado, foram definidas as seguintes metas para execução do Convenio:

                  Meta 1 – Aquisição de mobiliário; Meta 2 – Aquisição de equipamentos de vídeo; Meta 3 – Aquisição de instrumentos musicais; Meta 4 – Aquisição de Equipamentos de som e iluminação e Meta 5 – Aquisição de equipamentos de informática.

                              Até o momento, foram recebidos do Ministério da Cultura recursos no valor de R$ 1.039.507,30 dos quais foram aplicados R$ 1.036.184,07 na compra de Mobiliário, Instrumentos Musicais e Equipamentos de som e iluminação.

                                Como resultado desse importante apoio, vários benefícios foram imediatamente absorvidos e sentidos não só pelos alunos como também pelos freqüentadores e músicos que se apresentaram nos Projetos do Clube do Choro.

Benefícios alcançados: O mobiliário adquirido está sendo utilizado nas salas de aula da Escola Brasileira de Choro Raphael Rabello e na sala de espetáculos. Foram também adquiridos dois refrigeradores para uso dos camarins e na administração. A Escola encerrou o ano letivo de 2014 com 854 alunos matriculados nos cursos de violão, cavaquinho, percussão, saxofone, clarinete, gaita, bandolim que utilizam para seu aprendizado, os instrumentos adquiridos com recursos do projeto e disponibilizados gratuitamente.

                  Outro benefício constatado foi a melhoria significativa da qualidade do aprendizado, fruto de melhores instalações, bem ventiladas e iluminadas, além do conforto dos moveis adquiridos para as salas de aula.

                  A sala de espetáculos recebeu parte dos equipamentos de som adquiridos com recursos do Projeto, que melhoraram substancialmente a qualidade sonora dos espetáculos apresentados e no dia 10 de Novembro de 2011 foi inaugurado o novo café concerto, dotado de mobiliário, equipamentos de som e luz além de instrumentos musicais adquiridos com recursos do Convenio.

                                No Relatorio, encontram-se relacionados todos os Projetos realizados pelo Clube do Choro em Brasilia, envolvendo recursos de patrocinadores, captados nos termos da Lei de Incentivo à Cultura.

                                Outro ponto relevante é que um dos frutos gerados pelo intenso trabalho desenvolvido pela Diretoria, resultou em convites do Ministério das Relações Exteriores e do Ministério do Turismo para exibir-se no exterior. Nos últimos anos, delegações do CCB já se apresentaram, com grande sucesso, no Festival dos Povos do Deserto, em Dubai (Emirados Árabes), no Festival da Cultura Latino Americana no Uruguay, além de excursionarem pelo Uruguai, Argentina, Peru, Tunísia, Espanha, Portugal, Aalemanha , Frnça, Áustria, Salzburg, Haiti, Mexico, Gana, Palestina, Estados Unidos e China.

Veja os projetos que já tivemos!

1997 - Projeto: Pixinguinha

Reinaugurado em 23 de abril de 1997, dentro da programação comemorativa do Aniversário de Brasília, o Clube abriu em grande estilo, contando com a presença de diversas autoridades, músicos, estudantes e os velhos frequentadores dos saraus dos sábados, que vieram conferir a qualidade das reformas executadas pelo Governo do Distrito Federal.

Sob o patrocínio da FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL, SECRETARIA DE TURISMO DO DISTRITO FEDERAL e EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS, foi montada uma programação de altíssima qualidade, para o ano de 1997, comemorativa ao Centenário de Pixinguinha.

A programação foi organizada de forma a que o público pudesse, a cada semana, participar de um verdadeiro sarau, mesclando representantes da velha guarda e jovens músicos chorões.

A prata da casa não foi esquecida. Além do conjunto de base, o Choro Livre, formado exclusivamente por músicos de Brasilia, foi aberto o espaço para apresentações de músicos do quilate de Paulo Andre, Beth Ernest Dias, Tio Nilo, Paulinho do Cavaco, Dois de Ouro, dentre outros.

Os espetáculos apresentados,foram vistos por mais de 12.000 pessoas. A resposta do público foi muito grande, superando inclusive as nossas expectativas.

Durante o ano de 1997 foram ultimadas as providencias para a instalação da Escola Brasileira de Choro Raphael Rabello.

O Projeto apresentado ao Ministério da Cultura foi aprovado e firmamos contrato de patrocínio com a TELEBRASILIA para a implantação da Escola.

Ainda em 1997 demos início às inscrições dos alunos e foi elaborado o Planejamento Pedagógico, a cargo do Maestro Mauricio Carrilho.

O Clube do Choro serviu, ainda, de palco para o lançamento do livro do escritor e musicólogo, SERGIO CABRAL, sobre a vida e a obra de PIXINGUINHA.

1998 - Projeto: JACOB DO BANDOLIM 80 ANOS – Pronac: 980434

Mais uma iniciativa vitoriosa do Clube do Choro, em sua constante luta para manter vivo esse gênero musical genuinamente brasileiro, cuja importância para a Cultura e formação do músico brasileiro é incontestável. A idéia de homenagear Jacob do Bandolim no ano em que faria 80 anos foi bem recebida junto ao Ministério da Cultura que ao aprovar o Projeto, abriu as portas para que Empresas como a TELEBRASILIA S/A e a LIDERANÇA CAPITALIZAÇÃO S/A pudessem somar esforços em co-patrocínio e proporcionar ao publico brasiliense uma série de espetáculos musicais inesquecíveis.

Previsto inicialmente para ser realizado no período de JUNHO a NOVEMBRO de 1998, as apresentações musicais avançaram até o dia 18 de DEZEMBRO quando se deu o encerramento das atividades anuais do clube do choro:

O Clube do Choro de Brasilia procurou contribuir durante o ano de 1998 para a valorização da cultura brasileira, especialmente da musica instrumental através da sua aprogramação. Foram 123 dias de espetáculos, onde se apresentaram 30 artistas convidados, vindos da Bahia, Rio de Janeiro, Recife, São Paulo, Rio Grande do Sul, Pará, além de 15 artistas locais que marcaram a presença e a força de Brasilia como a capital brasileira do Choro.

Dois eventos de grande importância para a história da musica popular brasileira também integraram a programação do ano de 1998: As “Palestras Musicadas” apresentadas pelo Jornalista SERGIO CABRAL enfocando como tema a vida e a obra de JACOB DO BANDOLIM e o lançamento da biografia de JACOB em livro da escritora ERMELINDA PAZ .

Ao público que superou 28.000 pessoas e que foram acomodadas nas modestas instalações do Clube do Choro, queremos fazer um agradecimento especial pelo modo ordeiro e carinhoso com que sempre recebeu todos os artistas, demonstrando que Brasilia sabe prestigiar a música instrumental brasileira, respeitando e prestigiando quem a faz.

Agradecemos, também, a toda a equipe que trabalhou durante o ano de 1998, seja na bilheteria, no bar, na limpeza, no som, na produção cujo esforço e dedicação foram primordiais para que pudéssemos atingir nossos objetivos.

Registramos, o apoio da imprensa brasiliense, dos jornais CORREIO BRAZILIENSE, JORNAL DE BRASILIA, JORNAL DA COMUNIDADE, da Revista Tira Prosa, da TV GLOBO, TV BRASILIA, TV BANDEIRANTES, SBT, TV RECORD, TVA, da Fundação Cultural do Distrito Federal e da Secretaria de Turismo do DF, que sempre nos ajudaram em todos os momentos.

Finalmente, agradecemos ao Ministério da Cultura que possibilitou, através da Lei do Mecenato, os patrocínios da TELECOMUNICAÇÕES DE BRASILIA S/A – TELEBRASILIA e da LIDERANÇA CAPITALIZAÇÃO S/A para a realização da PROGRAMAÇÃO DE 1998.

1999 - Projeto: 50 ANOS DE BRASILEIRINHO – TRIBUTO A WALDIR AZEVEDO – Pronac: 990489

Ao dar inicio aos estudos para a apresentação do Projeto 50 ANOS DE BRASILEIRINHO – TRIBUTO A WALDIR AZEVEDO o Clube do Choro tinha a intenção, não apenas de homenagear alguém que tanto contribuiu para a consolidação da música popular brasileira como forma substantiva de expressão do nosso povo, mas o de resgatar e atualizar a vida e a obra de um artista que projetou o Brasil no Mundo, movido apenas pela força de seu talento, suas mãos e seu cavaquinho. Somou-se a esses objetivos o de irrigar novas vocações de instrumentistas, compositores, arranjadores e ao mesmo tempo, formar ouvintes e platéias para a genuína música brasileira.

Encerramos mais um ano com chave de ouro. Desde sua reabertura em 1997 e graças ao

Apoio do Ministério da Cultura através da Lei de Incentivo à Cultura, o Clube do Choro firmou-se como o mais regular e importante espaço dedicado, exclusivamente à musica instrumental brasileira em atividade na Capital Federal.

Mantivemos durante o ano de 1999 uma programação de alto nível, privilegiando o melhor do universo instrumental brasileiro.

O público que freqüenta o Clube do Choro, tem no ecletismo a sua marca registrada, com indivíduos de todas as idades, usufruindo a oportunidade de se aprofundar no conhecimento da cultura musical nacional em um momento em que a mídia se vê tão preocupada em divulgar cada vez mais a música estrangeira ou a música brasileira de qualidade duvidosa. A possibilidade de poder oferecer espetáculos de qualidade a preços populares tem sido muito aproveitada pelo publico brasiliense que dificilmente assiste a algum grande espetáculo por menos de 40 reais, nada melhor, portanto, para um universitário ou secundarista do que pagar 5 reais para ver shows de nível internacional como os de Paulo Moura, Hermeto Paschoal, Pepeu Gomes, Altamiro Carrilho, Carlos Malta, Dominguinhos, Sebastião Tapajós, Sivuca, entre outros.

O Clube do Choro investiu recursos na melhoria de suas instalações com o objetivo de proporcionar ao publico maior conforme e Segurança. Para tanto foram instalados toldos nas entradas, um moderno sistema de Ar condicionado além de um novo equipamento de som.

Tivemos a presença de um público de 25.000 pessoas distribuídas entre as 108 apresentações dos artistas convidados, podendo-se observar que dessa vez o Clube do Choro trouxe artistas de fora em duplas, trios e grupos maiores todos com renome nacional.

A prata da casa não foi esquecida, recebendo o mesmo tratamento dispensado aos grandes instrumentistas. Vários lançamentos de CDs foram realizados no intervalo das apresentações, tais como: CHORO LIVRE, LEANDRO BRAGA, CRISTOVÃO BASTOS, RABO DE LAGARTIXA, NÓ EM PINGO D`AGUA, DOIS DE OURO, JAIME ERNEST DIAS, MARCO PEREIRA, ZE DAVELHA E SILVERIO PONTES entre outros.

2000 - Projeto: CHIQUINHA GONZAGA – ABRE ALAS PARA A MUSICA POPULAR BRASILEIRA – Pronac: 990997

Projeto CHIQUINHA GONZAGA – ABRE ALAS PARA A MUSICA POPULAR BRASILEIRA teve como objetivo não apenas de homenagear alguém que tanto contribuiu para a criação de uma verdadeira identidade musical brasileira como forma substantiva de expressão do nosso povo, mas o de resgatar e atualizar a vida e a obra de uma artista que rompeu barreiras e preconceitos movida apenas pela força de seu talento e determinação.

Desde sua reabertura em 1997 e graças ao apoio do Ministério da Cultura através da Lei de Incentivo à Cultura, o Clube do Choro firmou-se como o mais regular e importante espaço dedicado, exclusivamente à musica instrumental brasileira em atividade na Capital Federal.

Mantivemos durante o período de FEVEREIRO a DEZEMBRO de 2000 uma programação de alto nível, privilegiando o melhor da musica instrumental brasileiroa

O público que freqüenta o Clube do Choro, tem no ecletismo a sua marca registrada, com indivíduos de todas as idades, usufruindo a oportunidade de se aprofundar no conhecimento da cultura musical nacional em um momento em que a mídia se vê tão preocupada em divulgar cada vez mais a música estrangeira ou a música brasileira de qualidade duvidosa. A possibilidade de poder oferecer espetáculos de qualidade a preços populares tem sido muito aproveitada pelo publico brasiliense que dificilmente assiste a algum grande espetáculo por menos de 40 reais, nada melhor, portanto, para o público em geral   do que pagar 5 reais para ver shows de nível internacional como os de Paulo Moura, Altamiro Carrilho, Turíbio Santos, Dominguinhos, Sebastião Tapajós, Sivuca, Luiz Carlos Vinhas, Clara Sverner, Antonio Adolfo, entre outros.

O Clube do Choro investiu recursos na melhoria de suas instalações com o objetivo de proporcionar ao publico maior conforme e Segurança. Para tanto foram instalados toldos nas entradas, um moderno sistema de Ar condicionado além de um novo equipamento de som.

A programação previa a realização de três espetáculos por semana, às Quartas, Quintas e Sextas-feiras porém a Diretoria do Clube do Choro resolveu abrir um espaço aos Sábados para a apresentação de Grupos Musicais e solistas brasilienses. Tal iniciativa proporcionou um retorno de mídia e a participação do público prestigiando a série de Espetáculos intitulada PRATA DA CASA.

No total tivemos a presença de um público de 42000 pessoas distribuídas entre as 168 apresentações podendo-se observar que dessa vez o Clube do Choro, mais uma vez, trouxe artistas de fora em duplas, trios e grupos maiores todos com renome nacional. A prata da casa não foi esquecida,recebendo o mesmo tratamento dispensado aos grandes instrumentistas. Vários lançamentos de CDs foram realizados no intervalo das apresentações.

A inclusão na programação da apresentação de grupos musicais de outros Estados implicou no aumento dos custos inicialmente previstos, principalmente nos itens referentes aos pagamentos dos cachês dos artistas, hospedagem, passagens aéreas, transporte local, alimentação etc.

Mais uma vez pudemos contar com a Diretoria do Banco do Brasil, que, sensibilizada, disponibilizou os recursos de sua conta de Marketing Direto para complementar a realização do Projeto, o que possibilitou o seu início na data prevista.

A parceria com a TV SENADO e com a TV CÂMARA possibilitou a gravação de 35 espetáculos que foram veiculados em rede nacional de televisão a cabo para todo o Brasil; o que muito contribuiu para o êxito do PROJETO CHIQUINHA GONZAGA, proporcionando ao incentivador um retorno de mídia e imagem com repercussão nacional.

Os nossos parceiros na realização do Projeto foram os seguintes:

PATROCINADORES:

Recursos Incentivados – EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS

Recursos Não incentivados – BANCO DO BRASIL S/A

APOIOS: RADIO SENADO FM, RADIO CÂMARA FM, TV CÂMARA, TV SENADO, RADIO NACIONAL FM, RADIO CULTURA FM, CORREIO BRAZILIENSE, JORNAL DE BRASILIA, JORNAL HOJE EM DIA, JORNAL DA COMUNIDADE, GAZETA MERCANTIL, REVISTA Setembro, REVISTA TABLADO, REVISTA FOCO, REVISTA SINTONIA HOLÍSTICA, SECRETARIA DE CULTURA DO DISTRITO FEDERAL, SECRETARIA DE TURISMO.

2001 - Projeto: ERNESTO NAZARETH PAI DO CHORO MODERNO - Pronac 003535

Com a realização do Projeto Ernesto Nazareth – Pai do Choro Moderno durante o ano de 2001, o Clube do Choro de Brasília prestou uma significativa homenagem à musica brasileira, na figura do ilustre compositor. Mesmo com um atraso de quase 70 anos, o reconhecimento que ele sempre mereceu , mas nunca obteve enquanto vivo, colocando-o no mesmo patamar de Pixinguinha, Jacob do Bandolim, Waldir Azevedo e Chiquinha Gonzaga, já homenageados em projetos congêneres realizados pelo Clube do Choro de Brasília nos últimos anos, num trabalho vitorioso e reconhecido a nível nacional.

Foram convidados, inicialmente, 40 solistas de diferentes instrumentos para interpretar peças do repertório do homenageado, com plena liberdade de arranjo e execução num total de 120 apresentações musicais que seriam realizadas no período de 10 meses.

Convocando artistas do primeiro time da MPB para reler o trabalho de um compositor cuja obra está na base da nossa pirâmide musical e exibindo o resultado desse empreendimento a um publico estimado em 30 mil pessoas, de 14 a 80 anos, o Clube do Choro considera haver contribuído, mais uma vez, para a difusão da um obra fundamental para a formação cultural do povo brasileiro.

Apesar de todos os esforços não foi possível a captação da totalidade dos recursos autorizados, porém foi executado um programa de contenção de despesas e renegociação junto a fornecedores e prestadores de serviços, o que possibilitou chegarmos ao final do ano de 2001 superando, inclusive, as metas estabelecidas no Projeto.

As metas de mídia foram atingidas e até superadas, conforme demonstrado a seguir:

 VE Í C U L O METAS
 PREVISTA REALIZADA
 Jornal (Correio Braziliense)  40 80
 TV GLOBO 40 80
 RADIO NACIONAL FM 720 720
 RADIO SENADO FM 250
 RADIO CAMARA FM  250
 RADIO CULTURA FM  250
 FOLDERS  30.000 30.000
BANNERS  02
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação.